O PSD Lisboa entende a demissão do vereador Carlos Castro como inevitável.

Desde a primeira hora considerámos que deixara de ter condições para se manter em funções, por não ser aceitável que o vereador, assim como a Diretora Municipal de Higiene Urbana e os comandantes do Regimento de Sapadores Bombeiros e da Polícia Municipal, tenham sido privilegiados no processo de vacinação por “inerência“ dos cargos.

Esta demissão comprova, acima de tudo, que a estratégia de vacinação está a falhar na sua primeira fase, pondo em causa um mais rápido controlo da pandemia.

Vemos estes falhanços em todo o País e queremos ajudar a que não se repitam.

Por isso, o PSD Lisboa está totalmente disponível para ajudar a CML naquilo que lhe for possível. Nomeadamente com uma comissão de fiscalização e acompanhamento do processo de vacinação na AML e com ajuda direta na sua organização.

Quando temos presidentes de junta a fazer diligências de autoridades de saúde, como aconteceu na passada semana, já não temos qualquer plano. Entendemos que num momento em que existe escassez de vacinas é a altura ideal para a reestruturação profunda do planeamento.

Sobre a demissão em causa, lamentamos os fatores que a justificam, mas agradecemos a capacidade do vereador de reconhecer as suas responsabilidades e contribuir com isso para a dignificação da política.