Se Dúvidas Havia, Aqui Está! Ciclovia Avança na Av. de Berna com Fim do Estacionamento Automóvel

Por Sónia Cunha, Vogal do PSD Lisboa

 

A Associação de Moradores da Freguesia de Avenidas Novas criou uma petição pública pela suspensão imediata da construção de uma ciclovia, em sentido contrário ao do trânsito na Avenida Visconde Valmor, nesta que muitos entendem ser uma política desenfreada na cidade, onde Medina faz nascer ciclovias sem critério, obrigando a que automóveis, transportes públicos e bicicletas partilhem as faixas de rodagem, como se verifica na Avenida Duque de Ávila.

Os moradores estão naturalmente descontentes e isso é visível nos fóruns e redes sociais onde as interrogações são diversas. Nesse sentido, será importante saber o que a Junta de Freguesia de Avenidas Novas tem a dizer a isto. Qual a posição do seu executivo? 

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou esta semana que irá iniciar a criação de mais uma ciclovia, de forma a atingir o objetivo que Medina pretende alcançar em 2021: cerca de 200 quilómetros de ciclovias por toda a cidade de Lisboa.

Arranca já este mês de fevereiro a nova ciclovia da Avenida de Berna. As previsões apontam para que tudo esteja pronto a utilizar, ainda no primeiro trimestre do ano. 

O plano diz que serão eliminados lugares de estacionamento, haverá um reforço da via bus e uma ciclovia unidirecional de cada lado. O estacionamento que vai desaparecer vai desde o
cruzamento da Rua Marquês Sá da Bandeira e da Rua da Beneficência até à Avenida da República, sendo que a ciclovia passará a ocupar o espaço entre a via bus e o passeio.

Entre a Praça de Espanha e a Avenida da República, a Avenida de Berna terá três vias de trânsito, uma das quais para transportes públicos.

Serão extintos 130 lugares! Sim, 130 lugares de estacionamento.

Serão feitas também alterações nas condições de acessibilidade e mobilidade com o rebaixamento do passeio em algumas zonas e, em determinados pontos da ciclovia, haverá zonas de embarque em autocarros, uma vez que estes não podem acercar-se dos passeios. Os lugares para cargas e descargas e tomada e largada de passageiros existentes são transferidos para as ruas adjacentes à Avenida de Berna.

Parece-nos óbvio que a Câmara Municipal de Lisboa está empenhada em fazer desaparecer ainda mais o estacionamento, que já escasseia nesta zona.

Acham mesmo que os transportes públicos vão suprimir as necessidades de deslocação, numa altura em que a população, face à pandemia que estamos a viver, privilegia para sua segurança a utilização de transporte pessoal em detrimento dos transportes públicos?

Onde vão agora estacionar os residentes que normalmente estacionam na Avenida de Berna? E quais os custos? Criaram parques de estacionamento para os residentes? Já não há lugares suficientes, como vai ser? Será que desconforto, stress, perda de tempo são sinónimo de qualidade de vida? Será que a preservação do ambiente só se alcança desta forma, desrespeitando os residentes e piorando a qualidade de vida?

De relembrar que já existem várias ciclovias paralelas a esta na sua proximidade, uma delas a menos de 200 metros na Avenida Elias Garcia (via partilhada) e a ciclovia da Avenida Duque de Ávila a 400 metros. Isto é inqualificável. Como vão sobreviver os comerciantes? Como é que os escritórios vão receber clientes? E os consultórios? 

Sem estacionamento, as pessoas abandonam as casas. Será intencional?

São muitas as perguntas dos moradores que se encontram sem resposta. Têm direito a respostas e a serem ouvidos! 

Merecem ser ouvidos! Na calha, planos também para a Av. 5 de Outubro!